Liturgia diária › 23/08/2017

Santa Rosa de Lima, virgem . Festa

1ª Leitura – 2Cor 10,17-11,2

Eu vos desposei a um único esposo,
apresentando-vos a Cristo como virgem pura.

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios 10,17-11,2

Irmãos:
17 Quem se gloria, glorie-se no Senhor.
18 Pois é aprovado só aquele que o Senhor recomenda
e não aquele que se recomenda a si mesmo.
11,1 Oxalá pudésseis suportar um pouco de insensatez,
da minha parte.
Na verdade, vós me suportais.
2 Sinto por vós um amor ciumento
semelhante ao amor que Deus vos tem.
Fui eu que vos desposei a um único esposo,
apresentando-vos a Cristo como virgem pura.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 148,1-2.11-13a.13c-14

R. Vós jovens, vós moças e rapazes,
louvai todos o nome do Senhor!

1 Louvai o Senhor Deus nos altos céus, *
louvai-o no excelso firmamento!
2 Louvai-o, anjos seus, todos louvai-o, *
louvai-o, legiões celestiais! R.

11 Reis da terra, povos todos, bendizei-o, *
e vós, príncipes e todos os juízes;
12 e vós, jovens, e vós, moças e rapazes, +
anciãos e criancinhas, bendizei-o! *
13a Louvem o nome do Senhor, louvem-no todos. R.

13c A majestade e esplendor de sua glória *
ultrapassam em grandeza o céu e a terra.
14 Ele exaltou seu povo eleito em poderio *
ele é o motivo de louvor para os seus santos.
É um hino para os filhos de Israel, *
este povo que ele ama e lhe pertence. R.

Evangelho – Mt 13,44-46

Vende todos os seus bens e compra aquele campo.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 13,44-46

Naquele tempo, disse Jesus à multidão:
44 ‘O Reino dos Céus é como um tesouro escondido no campo.
Um homem o encontra e o mantém escondido.
Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens
e compra aquele campo.
45 O Reino dos Céus também é como um comprador
que procura pérolas preciosas.
46 Quando encontra uma pérola de grande valor,
ele vai, vende todos os seus bens
e compra aquela pérola.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mt 13, 44-46

Irmãos, hoje celebramos a festa de Santa Rosa de Lima. Meditemos auxiliados por um dos seus escritos intitulado: “Conheçamos a supereminente caridade da ciência de Cristo”.

Diz a Santa: “O Senhor Salvador levantou a voz e com incomparável majestade disse: “Saibam todos que depois da tribulação se seguirá a graça; reconheçam que sem o peso das aflições não se pode chegar ao cimo da graça; entendam que a medida dos carismas aumenta em proporção da intensificação dos trabalhos. Acautelem-se os homens contra o erro e o engano; é esta a única verdadeira escada do paraíso e sem a cruz não há caminho que leve ao céu”.

Ouvindo estas palavras, penetrou-me um forte ímpeto como de me colocar no meio da praça e bradar a todos, de qualquer idade, sexo e condição: “Ouvi, povos; ouvi, gentes. A mandado de Cristo, repetindo as palavras saídas de seus lábios, quero vos exortar: Não podemos obter a graça, se não sofrermos aflições; cumpre acumular trabalhos sobre trabalhos, para alcançar a íntima participação da natureza divina, a glória dos filhos de Deus e a perfeita felicidade da alma”.

O mesmo aguilhão me impelia a publicar a beleza da graça divina; isto me oprimia de angústia e me fazia transpirar e ansiar. Parecia-me não poder mais conter a alma na prisão do corpo, sem que, quebradas as cadeias, livre, só e com a maior agilidade fosse pelo mundo, dizendo: “Quem dera que os mortais conhecessem o valor da graça divina, como é bela, nobre, preciosa; quantas riquezas esconde em si, quantos tesouros, quanto júbilo e delícia! Sem dúvida, então, eles empregariam todo o empenho e cuidado para encontrar penas e aflições! Iriam todos pela terra a procurar, em vez de fortunas, os embaraços, moléstias e tormentos, a fim de possuir o inestimável tesouro da graça. É esta a compra e o lucro final da paciência. Ninguém se queixaria da cruz nem dos sofrimentos que lhe adviriam talvez, se conhecessem a balança, onde são pesados para serem distribuídos aos homens”.

Colaboração: Padre Adriano Francisco da Silva, IVE

Fonte: CNBB