Liturgia diária › 18/08/2017

6ª feira da 19ª Semana do Tempo Comum

1ª Leitura – Js 24,1-13

Tirei vossos pais dos confins da Mesopotâmia,
depois vos fiz sair do Egito e vos dei uma terra.

Leitura do Livro de Josué 24,1-13

Naqueles dias:
1 Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel
e convocou os anciãos, os chefes,
os juízes e os magistrados,
que se apresentaram diante de Deus.
2 Então Josué falou a todo o povo:
‘Assim diz o Senhor, Deus de Israel:
Vossos pais, Taré, pai de Abraão e de Nacor
habitaram outrora do outro lado do rio Eufrates
e serviram a deuses estranhos.
3 Mas eu tirei Abraão, vosso pai,
dos confins da Mesopotâmia,
e o conduzi através de toda a terra de Canaã,
e multipliquei a sua descendência.
4 Dei-lhe Isaac,
e a este dei Jacó e Esaú.
E a Esaú, um deles, dei em propriedade o monte Seir;
Jacó, porém, e seus filhos desceram para o Egito.
5 Em seguida, enviei Moisés e Aarão
e castiguei o Egito com prodígios que realizei em seu meio,
e depois disso vos tirei de lá.
6 Fiz, portanto, que vossos pais saíssem do Egito,
e assim chegastes ao mar.
Os egípcios perseguiram vossos pais,
com carros e cavaleiros,
até ao mar Vermelho.
7 Vossos pais clamaram então ao Senhor,
e ele colocou trevas entre vós e os egípcios.
Depois trouxe sobre estes o mar, que os recobriu.
Vossos olhos viram todas as coisas que eu fiz no Egito
e habitastes no deserto muito tempo.
8 Eu vos introduzi na terra dos amorreus
que habitavam do outro lado do rio Jordão.
E, quando guerrearam contra vós,
eu os entreguei em vossas mãos,
e assim ocupastes a sua terra
e os exterminastes.
9 Levantou-se então Balac, filho de Sefor, rei de Moab,
e combateu contra Israel,
e mandou chamar Balaão, filho de Beor,
para que vos amaldiçoasse.
10 Eu, porém, não o quis ouvir.
Ao contrário, abençoei-vos por sua boca,
e vos livrei de suas mãos.
11 A seguir, atravessastes o Jordão e chegastes a Jericó.
Mas combateram contra vós os habitantes desta cidade
– os amorreus, os fereseus, os cananeus, os hititas,
os gergeseus, os heveus e os jebuseus.
Eu, porém, entreguei-os em vossas mãos.
12 Enviei à vossa frente vespões
que os expulsaram da vossa presença
– os dois reis dos amorreus –
e isso não com a tua espada
nem com o teu arco.
13 Eu vos dei uma terra que não lavrastes,
cidades que não edificastes, e nelas habitais,
vinhas e olivais que não plantastes, e comeis de seus frutos.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 135,1-3. 16-18. 21-22.24

R. Eterna é a sua misericórdia!

1 Demos graças ao Senhor, porque ele é bom: *
Porque eterno é seu amor!
2 Demos graças ao Senhor, Deus dos deuses: *
Porque eterno é seu amor!
3 Demos graças ao Senhor dos senhores: *
Porque eterno é seu amor! R.

16 Ele guiou pelo deserto o seu povo: *
Porque eterno é seu amor!
17 E feriu por causa dele grandes reis: *
Porque eterno é seu amor!
18 Reis poderosos fez morrer por causa dele: *
Porque eterno é seu amor! R.

21 Repartiu a terra deles como herança: *
Porque eterno é seu amor!
22 Como herança a Israel, seu servidor: *
Porque eterno é seu amor!
24 De nossos inimigos libertou-nos: *
Porque eterno é seu amor! R.

Evangelho – Mt 19,3-12

Moisés permitiu despedir a mulher,
por causa da dureza do vosso coração.
Mas não foi assim desde o início.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 19,3-12

Naquele tempo:
3 Alguns fariseus aproximaram-se de Jesus,
e perguntaram, para o tentar:
‘É permitido ao homem despedir sua esposa
por qualquer motivo?’
4 Jesus respondeu:
‘Nunca lestes que o Criador,
desde o início os fez homem e mulher?
5 E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe,
e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne’?
6 De modo que eles já não são dois, mas uma só carne.
Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe.’
7 Os fariseus perguntaram:
‘Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio
e despedir a mulher?’
8 Jesus respondeu:
‘Moisés permitiu despedir a mulher,
por causa da dureza do vosso coração.
Mas não foi assim desde o início.
9 Por isso, eu vos digo:
quem despedir a sua mulher
– a não ser em caso de união ilegítima –
e se casar com outra, comete adultério.’
10 Os discípulos disseram a Jesus:
‘Se a situação do homem com a mulher é assim,
não vale a pena casar-se.’
11 Jesus respondeu:
‘Nem todos são capazes de entender isso,
a não ser aqueles a quem é concedido.
12 Com efeito, existem homens incapazes para o casamento,
porque nasceram assim;
outros, porque os homens assim os fizeram;
outros, ainda, se fizeram incapazes disso
por causa do Reino dos Céus.
Quem puder entender, entenda.’
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mt 19, 3-12

Hoje, Jesus responde às perguntas dos seus contemporâneos sobre o verdadeiro significado do matrimônio, ressaltando a indissolubilidade do mesmo.

Sua resposta, no entanto, também proporciona a base adequada para que nós, cristãos, possamos responder a aqueles cujos corações teimosos os obrigam a procurar a ampliação da definição de matrimônio para os casais homossexuais.

Ao fazer retroceder o matrimônio ao plano original de Deus, Jesus ressalta quatro aspectos relevantes pelos quais só se pode unir em matrimônio a um homem e uma mulher:

1) «O Criador, desde o início, os fez macho e fêmea» (Mt 19,4). Jesus nos ensina que, no plano divino, a masculinidade e a feminilidade têm um grande significado. Ignorar, pois, é ignorar o que somos.

2) «Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe, e se unirá à sua mulher» (Mt 19,5). No plano de Deus não é que o homem abandone os seus pais e vá embora com quem ele queira, mas sim com uma esposa.

3) «De maneira que já não são dois, e sim uma só carne» (Mt 19,6). Esta união corporal vai mais além da pouco duradoura união física que ocorre no ato conjugal. Refere-se à união duradoura que se apresenta quando um homem e uma mulher, através do seu amor, concebem uma nova vida que é o matrimônio perdurável ou união dos seus corpos. Logicamente, que um homem com outro homem, ou uma mulher com outra mulher, não pode ser considerado um único corpo dessa maneira.

4) «Pois o que Deus uniu, o homem não separe» (Mt 19,6). Deus mesmo uniu em matrimônio ao homem e à mulher e, sempre que tentamos separar o que Ele uniu, estaremos fazendo por nossa própria conta e por conta da sociedade.

Em sua catequese sobre Gênesis, o Papa João Paulo II disse: «Em sua resposta aos fariseus, Jesus Cristo comenta aos interlocutores a visão total do homem, sem o qual não é possível oferecer uma resposta adequada às perguntas relacionadas com o matrimônio».

Cada um de nós está chamado a ser o eco desta Palavra de Deus em nosso momento.

Colaboração: Padre Adriano Francisco da Silva, IVE

Fonte: CNBB