Liturgia diária › 05/10/2017

5ª feira da 26ª Semana do Tempo Comum

1ª Leitura – Ne 8,1-4a.5-6.7b-12

Esdras abriu o livro da Lei e bendisse o Senhor;
e todo o povo respondeu: Amém, amém!

Leitura do Livro de Neemias 8,1-4a.5-6.7b-12

Naqueles dias:
1 Todo o povo se reuniu como um só homem
na praça que fica defronte da porta das Águas,
e pediu ao escriba Esdras
que trouxesse o livro da Lei de Moisés,
que o Senhor havia prescrito a Israel.
2 O sacerdote Esdras apresentou a Lei
diante da assembléia de homens, de mulheres
e de todos os que eram capazes de compreender.
Era o primeiro dia do sétimo mês.
3 Assim, na praça que fica defronte da porta das Águas,
Esdras fez a leitura do livro,
desde o amanhecer até ao meio-dia,
na presença dos homens, das mulheres
e de todos os que eram capazes de compreender.
E todo o povo escutava com atenção
a leitura do livro da Lei.
4a Esdras, o escriba,
estava de pé sobre um estrado de madeira,
erguido para esse fim.
5 Estando num lugar mais alto,
ele abriu o livro à vista de todo o povo.
E, quando o abriu, todo o povo ficou de pé.
6 Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus,
e todo o povo respondeu, levantando as mãos:
‘Amém! Amém!’
Depois inclinaram-se
e prostraram-se diante do Senhor, com o rosto em terra.
7b Os levitas explicavam a Lei ao povo,
e cada um ficou em seu lugar.
8 E leram clara e distintamente o livro da Lei de Deus
e explicaram seu sentido,
de maneira que se pudesse compreender a leitura.
9 O governador Neemias e Esdras, sacerdote e escriba,
e os levitas que instruíam o povo,
disseram a todos:
‘Este é um dia consagrado ao senhor, vosso Deus!
Não fiqueis tristes nem choreis’,
pois todo o povo chorava ao ouvir as palavras da Lei.
10 E Neemias disse-lhes:
‘Ide para vossas casas e comei carnes gordas,
tomai bebidas doces
e reparti com aqueles que nada prepararam,
pois este dia é santo para o nosso Senhor.
Não fiqueis tristes,
porque a alegria do Senhor será a vossa força’.
11 E os levitas acalmavam todo o povo, dizendo:
‘Ficai tranqüilos; hoje é um dia santo.
Não vos aflijais!’
12 E todo o povo se retirou para comer e beber.
Distribuíram também aos outros
e expandiram-se em grande alegria,
pois haviam entendido as palavras
que lhes tinham sido explicadas.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 18(19), 8. 9. 10. 11 (R. 9a)

R. Os ensinos do Senhor são sempre retos,
alegria ao coração.

8 A lei do Senhor Deus é perfeita,*
conforto para a alma!
O testemunho do Senhor é fiel,*
sabedoria dos humildes. R.

9 Os preceitos do Senhor são precisos,*
alegria ao coração.
O mandamento do Senhor é brilhante,*
para os olhos é uma luz. R.

10 É puro o temor do Senhor,*
imutável para sempre.
Os julgamentos do Senhor são corretos*
e justos igualmente. R.

11 Mais desejáveis do que o ouro são eles,*
do que o ouro refinado.
Suas palavras são mais doces que o mel,*
que o mel que sai dos favos. R.

Evangelho – Lc 10,1-12

A vossa paz repousará sobre ele.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 10,1-12

Naquele tempo:
1 O Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos
e os enviou dois a dois, na sua frente,
a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir.
2 E dizia-lhes: ‘A messe é grande,
mas os trabalhadores são poucos.
Por isso, pedi ao dono da messe
que mande trabalhadores para a colheita.
3 Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos.
4 Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias,
e não cumprimenteis ninguém pelo caminho!
5 Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro:
‘A paz esteja nesta casa!’
6 Se ali morar um amigo da paz,
a vossa paz repousará sobre ele;
se não, ela voltará para vós.
7 Permanecei naquela mesma casa,
comei e bebei do que tiverem,
porque o trabalhador merece o seu salário.
Não passeis de casa em casa.
8 Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos,
comei do que vos servirem,
9 curai os doentes que nela houver
e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós.’
10 Mas, quando entrardes numa cidade
e não fordes bem recebidos,
saindo pelas ruas, dizei:
11 Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés,
sacudimos contra vós.
No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!
12 Eu vos digo que, naquele dia,
Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 10, 1-12

Hoje Jesus nos fala da missão apostólica. Porém «escolheu outros setenta e dois e enviou-os, dois a dois» (Lc 10,1), a proclamação do Evangelho é uma tarefa «que não pode ser delegada a uns poucos especialistas» João Paulo II: todos estamos chamados a essa tarefa e, todos vamos sentirmos responsáveis dela. Cada um desde seu lugar e condição. O dia do Batismo nos disseram: «Sois Sacerdote, Profeta e Rei para a vida eterna». Hoje mais que nunca, nosso mundo precisa do testemunho dos seguidores de Cristo.

«A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos» (Lc 10,2): É interessante esse sentido positivo da missão, pois o texto não diz: «Há muito para semear e poucos trabalhadores». Tal vez, hoje teríamos que falar desse jeito, pelo grande desconhecimento de Jesus Cristo e sua Igreja em nossa sociedade. Um olhar esperançado da missão gera otimismo e ilusão. Não nos deixemos abater pela desilusão e a desesperança.

No inicio, a missão que nos espera é, ao mesmo tempo, apaixonante e difícil. O anúncio da Verdade e da Vida, nossa missão, não pode nem deve pretender forçar a adesão, pelo contrário, deve suscitar uma livre adesão. As idéias, devem se propor e não impor, nos lembra o Papa.

«Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias…» (Lc 10,4): a única força do missionário deve ser Cristo. E para que ele encha sua vida, é preciso que o evangelizador se esvazie de tudo aquilo que não é Cristo. A pobreza evangélica é um requisito importante e, ao mesmo tempo, o testemunho mais crível que o apóstolo pode dar, além de que só esse desprendimento nos fará livres.

O missionário anuncia a paz. É portador de paz, porque leva a Cristo, o Príncipe da Paz. Por isso, «Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: A paz esteja nesta casa! Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; senão, ela retornará a vós» (Lc 10,5-6). Nosso mundo, nossas famílias, nosso Eu pessoal, têm necessidade de Paz. Nossa missão é urgente e apaixonante.

Colaboração: Padre Adriano Francisco da Silva, IVE

Fonte: CNBB