Liturgia diária › 26/09/2017

3ª feira da 25ª Semana do Tempo Comum

1ª Leitura – Esd 6,7-8.12b.14-20

Puderam terminar a construção da casa
de Deus e celebraram a Páscoa.

Leitura do Livro de Esdras 6,7-8.12b.14-20

Naqueles dias:
7 O rei Dario escreveu ao governador
do território da outra margem do rio Eufrates:
‘Deixa que prossigam os trabalhos no templo de Deus.
Que o governador de Judá e os anciãos dos judeus
edifiquem a casa de Deus no seu lugar.
8 Também ordenei como se deve proceder
com aqueles anciãos dos judeus
que constroem aquela casa de Deus:
com os bens do rei,
deveis reembolsar religiosamente e sem interrupção
aqueles homens por tudo o que gastarem.
12b Eu, Dario, dei esta ordem.
Que ela seja pontualmente executada!’
14 E os anciãos dos judeus
continuaram a construir, com êxito,
de acordo com a profecia de Ageu, o profeta,
e de Zacarias, filho de Ado,
e puderam terminar a construção
conforme a ordem do Deus de Israel e as ordens de Ciro,
de Dario e de Artaxerxes, reis da Pérsia.
15 Esta casa de Deus foi concluída
no terceiro dia do mês de Adar,
no sexto ano do reinado de Dario.
16 Os filhos de Israel, os sacerdotes,
os levitas e o resto dos repatriados,
celebraram com alegria a dedicação desta casa de Deus.
17 Ofereceram, para a inauguração desta casa de Deus,
cem touros, duzentos carneiros, quatrocentos cordeiros
e, como sacrifício pelo pecado de todo o Israel,
doze bodes, segundo o número das tribos de Israel.
18 Estabeleceram também os sacerdotes,
segundo suas categorias,
e os levitas, segundo suas classes,
para o serviço de Deus, em Jerusalém,
como está escrito no livro de Moisés.
19 Os deportados celebraram a Páscoa
no dia catorze do primeiro mês.
20 Como todos os levitas se haviam purificado,
juntamente com os sacerdotes, estavam puros;
e, assim, imolaram a Páscoa
para todos os filhos do cativeiro,
para os sacerdotes seus irmãos e para eles próprios.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 121 (122), 1-2. 3-4a. 4b-5 (R. Cf. 1)

R. Que alegria, quando me disseram: Vamos à casa Senhor!

1 Que alegria, quando ouvi que me disseram:*
‘Vamos à casa do Senhor!’
2 E agora nossos pés já se detêm,*
Jerusalém, em tuas portas. R.

3 Jerusalém,cidade bem edificada *
num conjunto harmonioso;
4a para lá sobem as tribos de Israel,*
as tribos do Senhor. R.

4b Para louvar, segundo a lei de Israel,*
o nome do Senhor.
5 A sede da justiça lá está *
e o trono de Davi. R.

Evangelho – Lc 8,19-21

Minha mãe e meus irmãos são aqueles
que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 8,19-21

Naquele tempo:
19 A mãe e os irmãos de Jesus aproximaram-se,
mas não podiam chegar perto dele, por causa da multidão.
20 Então anunciaram a Jesus:
‘Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver.’
21 Jesus respondeu:
‘Minha mãe e meus irmãos são aqueles
que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática.’
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 8, 19-21

Hoje, lemos uma formosa passagem do Evangelho. Jesus não ofende, de modo algum, a Sua Mãe, já que Ela é a primeira a escutar a Palavra de Deus e dela nasce Aquele que é a Palavra. E, simultaneamente, Ela é a que mais perfeitamente cumpriu a vontade de Deus: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra (Lc 1,38), responde ao anjo na Anunciação.

Jesus revela-nos de que precisamos, também nós, para chegar a ser seus familiares: Aqueles que ouvem…(Lc 8,21) e, para ouvir é necessário que nos aproximemos, tal como os seus familiares, que chegaram até onde Ele estava, mas não podiam aproximar-se por causa da multidão. Os familiares esforçam-se por se aproximar, seria conveniente que nos perguntássemos se lutamos e procuramos vencer os obstáculos que encontramos na hora de nos aproximarmos da Palavra de Deus. Dedico, todos os dias, uns minutos a ler, escutar e meditar a Sagrada Escritura? S. Tomás de Aquino recorda-nos que: é necessário que meditemos continuamente a Palavra de Deus (…) ; esta meditação ajuda fortemente na luta contra o pecado.

E, finalmente, cumprir a Palavra de Deus. Não basta escutar a Palavra; é necessário cumpri-la, se queremos ser membros da família de Deus. Temos de pôr em prática aquilo que nos diz! Por isso será bom que nos perguntemos se só obedeço quando aquilo que se me pede me agrada ou é relativamente fácil, e, pelo contrário, quando há que renunciar ao bem-estar, ao bom nome, aos bens materiais ou ao tempo disponível para o descanso…, ponho a Palavra entre parêntesis até que cheguem melhores tempos. Peçamos à Virgem Maria que escutemos como Ela e cumpramos a Palavra de Deus para andarmos assim no caminho que conduz à felicidade duradoura.

Colaboração: Padre Adriano Francisco da Silva, IVE

Fonte: CNBB