Liturgia diária › 06/11/2017

2ª feira da 31ª Semana do Tempo Comum

1ª Leitura – Rm 11,29-36

Deus encerrou todos os homens na desobediência,
a fim de exercer misericórdia para com todos.

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 11,29-36

Irmãos:
29 Os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.
30 Outrora, vós fostes desobedientes a Deus,
mas agora alcançastes misericórdia,
em conseqüência da desobediência deles.
31 Assim são eles agora os desobedientes,
para que, em conseqüência da misericórdia usada convosco,
alcancem finalmente misericórdia.
32 Com efeito,
Deus encerrou todos os homens na desobediência,
a fim de exercer misericórdia para com todos.
33 Ó profundidade da riqueza,
da sabedoria e da ciência de Deus!
Como são inescrutáveis os seus juízos
e impenetráveis os seus caminhos!
34 De fato, quem conheceu o pensamento do Senhor?
Ou quem foi seu conselheiro?
35 Ou quem se antecipou em dar-lhe alguma coisa,
de maneira a ter direito a uma retribuição?
36 Na verdade, tudo é dele, por ele, e para ele.
A ele, a glória para sempre. Amém!
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 68 (69),30-31. 33-34. 36-37 (R. 14c)

R. Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor!

30 Pobre de mim, sou infeliz e sofredor! *
Que vosso auxílio me levante, Senhor Deus!
31 Cantando eu louvarei o vosso nome *
e agradecido exultarei de alegria! R.

33 Humildes, vede isto e alegrai-vos: +
o vosso coração reviverá, *
se procurardes o Senhor continuamente!
34 Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres, *
e não despreza o clamor de seus cativos. R.

36 Sim, Deus virá e salvará Jerusalém, +
reconstruindo as cidades de Judá, *
onde os pobres morarão, sendo seus donos.
37 A descendência de seus servos há de herdá-las, +
e os que amam o santo nome do Senhor *
dentro delas fixarão sua morada! R.

Evangelho – Lc 14,12-14

Não convides teus amigos mas, os pobres e os aleijados.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 14,12-14

Naquele tempo:
12 E disse também a quem o tinha convidado:
‘Quando tu deres um almoço ou um jantar,
não convides teus amigos, nem teus irmãos,
nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos.
Pois estes poderiam também convidar-te
e isto já seria a tua recompensa.
13 Pelo contrário, quando deres uma festa,
convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos.
14 Então tu serás feliz!
Porque eles não te podem retribuir.
Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos.’
Palavra da Salvação.

Reflexão – Lc 14, 12-14

Hoje, o Senhor ensina-nos o verdadeiro sentido da generosidade cristã: o dar-se aos demais. «Quando ofereceres um almoço ou jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes podem te convidar por sua vez, e isto já será a tua recompensa» (Lc 14,12).

O cristão move-se no mundo como uma pessoa comum; mas o fundamento do trato com os seus semelhantes não pode ser nem a recompensa humana nem a vanglória; deve procurar ante tudo a glória de Deus, sem pretender outra recompensa que a do Céu. «Pelo contrário, quando deres um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos! Então serás feliz, pois estes não têm como te retribuir! Receberás a recompensa na ressurreição dos justos» (Lc 14, 13-14).

O Senhor convida-nos a dar-nos incondicionalmente a todos os homens, movidos somente pelo amor a Deus e ao próximo pelo Senhor. «Se emprestais àqueles de quem esperais receber, que recompensa mereceis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para receberem outro tanto» (Lc 6,34).

Isto é assim porque o Senhor ajuda-nos a entender que se damo-nos generosamente, sem esperar nada em troca, Deus nos pagará com uma grande recompensa e nos fará seus filhos prediletos. Por isto, Jesus nos diz: «Pelo contrário, amai os vossos inimigos, fazei bem e emprestai sem daí esperar nada. E grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo» (Lc 6-35).

Peçamos à Virgem a generosidade de saber fugir de qualquer tendência ao egoísmo, como seu Filho. «Egoísta!— Tu, sempre tu, sempre o que é “teu”.— Pareces incapaz de sentir a fraternidade de Cristo: nos outros, não vês irmãos; vês degraus (…)» (São Josemaria).

Colaboração: Padre Adriano Francisco da Silva, IVE

Fonte: CNBB