Igreja no Brasil

Igreja no Brasil ganha novo beato: padre Donizetti Tavares

Canção Nova › 25/11/2019

Beatificação do sacerdote aconteceu na manhã do último sábado (23/11); celebração foi presidida por Dom Giovanni Becciu, representante do Papa Francisco

Padre Donizetti Tavares de Lima é o novo beato brasileiro. Neste sábado, 23, atendendo ao pedido de Dom Antônio Emílio Vilar e do postulador da causa, Paolo Vilotta, o cardeal e representante do Papa Francisco, Giovanni Angelo Becciu, presidiu a cerimônia de beatificação de Padre Donizetti na cidade de Tambaú (SP), na Diocese de São João da Boa Vista (SP).

“Eu sou o Bom Pastor, o Bom Pastor dá a vida por suas ovelhas” (Jo 10, 11), com esta frase dita por Jesus Cristo, Dom Becciu explicou o verdadeiro significado do sacrifício. O cardeal afirma que as palavras foram ditas pelo próprio Cristo ao definir-se, e foram concretizadas quando o mesmo morreu na cruz. Para o representante do Papa, Jesus é o Pastor verdadeiro, o modelo mais alto de sacrifício verdadeiro e amor pelo seu rebanho. “No beato Donizetti Tavares brilha a imagem do Cristo Bom Pastor, preocupado em ir a procura da ovelha perdida, curar a ferida, tratar das que estão doente, apascentando o rebanho segundo a justiça”, destacou.

De acordo com o cardeal, padre Donizetti realizou um fecundo ministério baseado na oração, no trabalho apostólico, no sofrimento, até a doação total de si. O cardeal recordou a época vivida pelo novo beato, e sublinhou a integridade com que o sacerdote viveu o amor dedicado ao próximo e sua vida paroquial. “Ninguém era excluído de sua atenção, para ele todos os homens, enquanto filhos de Deus, eram iguais”, recordou.

Profundo conhecedor das encíclicas sociais, o novo beato brasileiro é caracterizado pelo representando do Papa como alguém que antecipou os direitos humanos contra a desenfreada corrida imposta pelos interesses econômicos. “Demonstrou intrépida coragem e justiça social, defendeu os pobres, os doentes e operários e denunciou abusos e irregularidades que aconteciam na sociedade. Ao mesmo tempo, procurava encontrar um acordo entre os setores da sociedade em conflito”, acrescentou. Dom Becciu falou da luta do sacerdote contra o preconceito e afirmou: “Em todas estas criaturas sofredoras via o rosto de Cristo, por isso combatia toda a espécie de discriminação social e racial”.

As famílias também eram assistidas pelo beato que fundou diversas obras assistenciais durante sua vida. “Procurava prover todos os casos de pobreza com remédios, alimentos e roupas”, destacou o cardeal. Dom Becciu reforçou que padre Donizetti viveu uma vida de pobreza, simplicidade e austeridade. A oração foi atribuída pelo representando do Papa como a sustentação da vida ativa do novo beato brasileiro. Os momentos de adoração ao Santíssimo Sacramento e a devoção a Nossa Senhora Aparecida eram realidades na vida de padre Donizetti.

A partir de uma intensa vida interior e uma relação íntima com Jesus, o sacerdote reagia com calma e serenidade às dificuldades da época, contou o cardeal. “Nos encontramos diante de uma figura exemplar de sacerdote, completa do ponto de vista humano, espiritual e social, que se distinguia ao viver com plenitude o Evangelho. Exemplo concreto e vivo de sacerdote zeloso, homem de oração que viveu com coerência e determinação a Doutrina Social da Igreja. Na sua grande humildade, considerou-se o último dos padres, mas a Igreja agora o coloca sobre o candelabro como modelo para todos os sacerdotes e leigos”.

“Ele encoraja a nós, Pastores de almas, a dedicar a nossa vida totalmente ao ministério, nos tornando a voz dos que não tem voz na sociedade, defendendo os indefesos e apoiando os abandonados. (…) O solene acontecimento da beatificação de padre Donizetti Tavares deve ser uma fecunda ocasião de renovação espiritual e de impulso missionário. (…) Olhando para o novo beato, todos os sacerdotes e pessoas consagradas terão motivos para se esforçarem e crescerem no espírito missionário, trabalhando para que o Evangelho seja anunciado para todos os homens neste território e em todos os extremos da Terra”, concluiu o cardeal.

Após a cerimônia de beatificação, o cardeal e representante do Papa Francisco, Giovanni Angelo Becciu, o bispo diocesano de São João da Boa Vista, Dom Antônio Emidio Vilar e o reitor do Santuário de Nossa Senhora Aparecida de Tambaú, padre Anderson Godoi, comentaram a importância da beatificação do sacerdote para a Igreja no Brasil e no mundo.

Dom Becciu falou também sobre os beatos e santos brasileiros. Segundo o cardeal, apesar de apresentarem carismas diferentes e particularidades, santos e beatos têm como virtude semelhante a preferência pelos pobres. “Todos viveram a máxima do evangelho que é: amar a Deus e ao seu próximo”.

O miraculado, Bruno de Oliveira, e seus pais, Margarete e Adriano, também estiveram presentes na coletiva e falaram sobre o milagre da beatificação. Bruno foi diagnosticado com pé torto congênito bilateral ainda bebê, em 2006. Sua mãe, Margarete, recorreu à intercessão de padre Donizetti na cura dos pés do filho e foi atendida. O jovem mostrou à imprensa seus pés curados, sem dores ou sequelas.

Por Canção Nova

Comentários

*O Católico Digital não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Newsletter

Cadastre-se e receba as últimas notícias do Católico Digital diretamente em seu e-mail!