Paróquias

Tradicional Festa do Divino Espírito Santo ocorre de 7 a 9 de junho em Itu

Católico Digital › 03/06/2019

No próximo dia 9 de junho, a Igreja celebra a Festa do Divino Espírito Santo com a Solenidade de Pentecostes.

Em Itu (SP), a Paróquia Nossa Senhora da Candelária, com o apoio da Secretaria de Turismo, Lazer e Eventos da cidade, realizará a tradicional Festa do Divino entre os dias 7 e 9 de junho com Celebrações Eucarísticas, recitação do Terço, tradicional desfile do Divino e procissão.

Confira a programação completa:

07/06 (6ª feira)
18h30: Recitação do Terço na Igreja Santa Rita, seguida de procissão do Império do Divino até a Igreja Matriz, onde ocorrerá a Celebração Eucarística, às 19h30.
19h30: Santa Missa, Igreja Nossa Senhora da Candelária

08/06 (sábado)
9h: Tradicional Desfile do Divino
19h: Santa Missa, Igreja Nossa Senhora da Candelária

09/06 (domingo) 
7h: Santa Missa, Igreja Nossa Senhora da Candelária
10h: Santa Missa da Solenidade de Pentecostes, seguida de procissão ao redor da Praça Padre Miguel.
19h: Missa Festiva, Igreja Nossa Senhora da Candelária

A Paróquia Nossa Senhora da Candelária está localizada à Rua Barão do Itaim, nº 90, no Centro, em Itu (SP).

Mais informações pelos telefones (11) 4022-0819 ou 4023-0638.

Mas, o que foi o Pentecostes? 

“A este Jesus, Deus o ressuscitou: do que todos nós somos testemunhas. Exaltado pela direita de Deus, havendo recebido do Pai o Espírito Santo prometido, derramou-o como vós vedes e ouvis”. (At 2, 32-33)

Cinquenta dias depois da Páscoa, o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos, reunidos no Cenáculo em Jerusalém no dia de Pentecostes, que era uma das festas judaicas. Sete semanas após a Páscoa, no quinquagésimo dia – geralmente 6 de Siwan (Maio/Junho) – os judeus ofereciam as primícias do pão feito com o trigo da nova colheita. Esta festa também era chamada da “Festa das Semanas”. Alguns ambientes judaicos comemoravam a promulgação dos Dez Mandamentos entregues a Moisés sobre o monte Sinai. São Lucas narra:

“De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem”. (At 2, 2-4).

O Espírito Santo foi enviado por Jesus, agora glorificado também como homem no seio da Santíssima Trindade, para assistir, guiar, animar e fortalecer a Igreja. São Pedro, no discurso que fez ao povo, explicou:

“A este Jesus, Deus o ressuscitou: do que todos nós somos testemunhas. Exaltado pela direita de Deus, havendo recebido do Pai o Espírito Santo prometido, derramou-o como vós vedes e ouvis”. (At 2, 32-33)

São Pedro proclamou na manhã de Pentecostes que nos “últimos tempos” (o tempo da Igreja) o Espírito do Senhor renovará o coração dos homens, gravando neles uma Lei Nova; reunirá e reconciliará os povos dispersos e divididos; transformará a criação primeira; e Deus habitará nela com os homens na paz.

Pentecostes foi o oposto da Torre de Babel; ali, por orgulho os homens se desentenderam, falando línguas diferentes. Em Pentecostes, falando numa mesma língua todos os povos presentes em Jerusalém, compreendiam os Apóstolos.

No dia de Pentecostes acontece a efusão (derramamento) do Espírito Santo, que é manifestado, dado e comunicado como Pessoa Divina: ai começa a vida da Igreja, Corpo Místico de Cristo, que no poder do Espírito vai levar a salvação a todos os homens.

Nesse dia é revelada plenamente a Santíssima Trindade. A partir desse dia, o Reino anunciado por Cristo está aberto aos que creem nele. Por sua vinda, que não cessa, o Espírito Santo faz o mundo entrar nos “últimos tempos”, o tempo da Igreja, o Reino já recebido em herança, mas ainda não consumado; como diz a liturgia bizantina: “Vimos a verdadeira Luz, recebemos o Espírito celeste, encontramos a verdadeira fé: adoramos a Trindade indivisível, pois foi ela quem nos salvou”.

Cristo prometeu esta efusão do Espírito, promessa que realizou no dia de Pentecostes: “Vós sereis batizados no Espírito Santo”. Repletos do Espírito Santo, os Apóstolos começam a proclamar “as maravilhas de Deus” (At 2,11), e Pedro começa a declarar que esta efusão do Espírito é o sinal dos tempos messiânicos. Desde então, os apóstolos comunicaram aos novos cristãos, pela imposição das mãos, o dom do Espírito que leva a graça do Batismo à sua consumação.

Em Pentecostes a Igreja é manifestada ao mundo e começou a difusão do Evangelho com a pregação. No seu discurso naquela manhã São Pedro, diz São Lucas que:

“Os que receberam a sua palavra foram batizados. E naquele dia elevou-se a mais ou menos três mil o número dos adeptos. Perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, na reunião em comum, na fração do pão e nas orações. De todos eles se apoderou o temor, pois pelos apóstolos foram feitos também muitos prodígios e milagres em Jerusalém e o temor estava em todos os corações. Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum”.

Pentecostes é também o dia da plena revelação da Santíssima Trindade. Jesus já tinha revelado o Pai, e se revelado; agora, do Pai e do Filho procede o Espírito.

(Por Prof. Felipe Aquino)

Comentários

*O Católico Digital não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Newsletter

Cadastre-se e receba as últimas notícias do Católico Digital diretamente em seu e-mail!