Paróquias

São Camilo de Léllis é celebrado de 11 a 14 de julho em Itu

Católico Digital › 03/07/2019

A Paróquia São Camilo de Léllis celebra de 11 a 14 de julho as festividades em louvor ao seu padroeiro, em Itu (SP).

A programação religiosa conta com tríduo preparatório com missas nos dias 11 e 12 de julho, às 19h30 e no dia 13, às 18h. No domingo, 14 de julho, dia de São Camilo de Léllis, a missa solene ocorre às 9h, seguida de procissão.

A tradicional quermesse, com diversas barracas, acontece no sábado (13/07), das 19h às 22h e no domingo (14/07), das 11h às 14h e das 19h às 22h.

Confira a programação completa:

11/07 (5ª feira): 1º Dia do Tríduo
19h30: Missa (Pe. Samuel Maciel Romão)

12/07 (6ª feira): 2º Dia do Tríduo
19h30: Missa (Dom Vicente Costa)

13/07 (sábado): 3º Dia do Tríduo
18h: Missa (Pe. José Paulo de Almeida)
19h: Quermesse

14/07 (domingo): Dia de São Camilo de Léllis 
9h: Missa Solene e Procissão (Pe. José Paulo de Almeida)
11h às 14h: Quermesse
18h: Missa (Pe. José Paulo de Almeida)
19h às 22h: Quermesse

A Paróquia São Camilo de Léllis está localizada à Praça A Federação, s/n, no Jardim Novo Itu, em Itu (SP).

Mais informações pelo telefone (11) 4022-1610.

São Camilo de Léllis

Camilo nasceu de pais já idosos, no dia 25 de maio de 1550, no sul da Itália. Camilo não gostava de estudar e era rebelde. O pai de Camilo, apesar de seus problemas com jogo de cartas, preocupou-se em educar o filho e o colocou na escola militar. O jovem, devido a sua grande estatura e físico atlético era requisitado para os trabalhos braçais e nunca passou de soldado, por falta de instrução.

Aos dezenove anos pensou em entrar para a vida religiosa, mas um tumor no pé impediu sua admissão. Ele então foi enviado para o hospital de São Tiago, em Roma. Sem dinheiro para o tratamento, conseguiu ser internado em troca do trabalho como servente. Com vinte e cinco anos de idade pediu novamente para ingressar na ordem dos franciscanos, mas novamente não foi aceito.

Camilo, já tocado pela Graça, passa a cuidar de doentes como voluntário. Preferia assistir aos doentes mais repugnantes e terminais, abandonados à própria sorte. Neles, Camilo viu o próprio Cristo e por eles passou a viver.

Em 1584 constituiu uma irmandade de voluntários para cuidar dos doentes pobres e miseráveis, depois intitulada Congregação dos Ministros dos Enfermos. Com a ajuda de Filipe Néri estudou e vestiu o hábito negro com a cruz vermelha de sua própria Ordem.

Mesmo sofrendo terríveis dores nos pés, Camilo ia visitar a casa dos doentes e, quando necessário, chegava a carregá-los nas costas para o hospital. Nesta hora agradecia a Deus a estatura física que lhe dera. Recebeu o dom da cura pelas palavras e orações, e os fiéis ricos e pobres, procuravam sua ajuda.

Era um homem muito querido em toda a Itália, quando morreu em 14 de julho de 1614. Foi canonizado em 1746. Em 1886 foi declarado padroeiro dos enfermos, dos doentes e dos hospitais.

Comentários

*O Católico Digital não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Newsletter

Cadastre-se e receba as últimas notícias do Católico Digital diretamente em seu e-mail!