Paróquias

Festa em louvor à São Roque ocorre de 13 a 18 de agosto em Itu

Católico Digital › 08/08/2019

A Comunidade São Roque, pertencente a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, celebra de 13 a 18 de agosto as festividades em louvor ao seu padroeiro, em Itu (SP).

A programação religiosa conta com tríduo preparatório nos dias 13, 14 e 15 de agosto, com missas às 19h30, terço dos homens no dia 16, às 19h30 e Santa Missa no dia 17, às 18h. Já no domingo, dia 18 de agosto, a Missa Festiva será às 10h, seguida de procissão.

A comemoração social da festa tem início no dia 10 de agosto, com o show de prêmios, às 19h30, e quermesse nos dias 11, 17 e 18 de agosto, com show sertanejo.

A Comunidade São Roque está localizada à Avenida Emílio Felix Tortosa, s/n, Lote 18, Quadra 16, no Parque Residencial Potiguara, em Itu (SP).

Mais informações pelos telefones (11) 4022-0197 ou 2429-8790.

Oração de São Roque

São Roque, que soubestes levar com fidelidade a sublime missão que lhe foi confiada a mais nobre entre todas, a santa Caridade, que operastes milagres de cura por intercessão de Nosso Senhor Jesus Cristo e tanto padecestes em dor física e moral pelas injustiças dos homens, rogamos-vos vossa proteção sobre todos os que estão neste momento sofrendo. Concedei-nos também este coração cheio de misericórdia que tivestes, para que, por esta virtude, possamos também nós alcançar a eterna misericórdia de nosso Pai Celestial. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

São Roque

Roque nasceu no ano de 1295, na França, em uma família rica, da nobreza da região. Ficou órfão na adolescência e vendeu toda a herança, distribuindo o que arrecadou entre os pobres. Depois disto, viveu como peregrino andante. Percorreu a França com destino a Roma.

No caminho, Roque deparou com regiões infestadas pela chamada peste negra. Era comum, ver à beira das estradas, pequenos povoados só de doentes que foram isolados do convívio das cidades, para evitar o contágio do restante da população ainda sã. Enxergando nas pobres criaturas o verdadeiro rosto de Cristo, Roque se atirou de corpo e alma na missão de tratá-los.

Seu zelo pelos doentes era tanto que ele descuidou-se de si próprio. Certo dia percebeu uma ferida na perna e viu que fora contaminado pela peste. Assim, decidiu se refugiar sozinho em um bosque, onde foi amparado por Deus.

Roque foi encontrado por um cão. Este animal passou a levar-lhe algum alimento todos os dias, até que seu dono, curioso, um dia o seguiu. Comovido, constatou que era seu cão que socorria o pobre doente. Este homem auxiliou Roque na sua recuperação.

Já com a saúde em dia, Roque voltou para sua cidade, mas foi preso, considerado como um espião. No cárcere continuou praticando a caridade e pregando a palavra de Cristo, convertendo muitos prisioneiros e aliviando suas aflições, até morrer.

Hoje as relíquias de São Roque são veneradas na belíssima basílica dedicada a ele em Veneza, Itália, sendo considerado o Santo protetor contra as pestes.

Comentários

*O Católico Digital não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Newsletter

Cadastre-se e receba as últimas notícias do Católico Digital diretamente em seu e-mail!